Universidade de Coimbra | www.uc.pt

link voltar a UC.PT Universidade de Coimbra
Imagem de identificação do subsite Banner

25.00€

Nos Bastidores da Ciência 20 anos depois

Nos Bastidores da Ciência 20 anos depois
Autor: Sebastião Formosinho
Língua: Português
ISBN: 978-989-8074-09-6
ISBN Digital: 978-989-26-0369-8
DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0369-8
Editora: Imprensa da Universidade de Coimbra
Edição: 1.ª
Data: Agosto 2007
Dimensões: 240 mm x 170 mm
N.º Páginas: 454

Sinopse
Se bem que não seja a imagem que emerge da comunicação social, a área científica mais forte no nosso país é a Química — a ciência da vida real, que também é uma «ciência verde», intimamente ligada à transformação radical do estilo de vida que levou a um considerável aumento de esperança de vida da humanidade. A Química não só é o domínio com maior produtividade e maior impacto científico de Portugal, como nele dispomos de seis universidades no top 1% mundial em citações científicas. Independentemente do mérito pessoal de Sebastião Formosinho e seus colaboradores, não admira que seja neste mesmo domínio que estes cientistas, ao terem desenvolvido contra o consenso científico vigente um novo modelo teórico (ISM) para estimar a velocidade das transformações moleculares, possam ter sobrevivido por vinte anos ao confronto científico com um dos paradigmas vigentes que mereceu o Prémio Nobel da Química em 1992, na pessoa do Prof. Rudolph Marcus. E conseguiram “vencer” a Natureza ao verem uma das suas mais arrojadas previsões, feita em 1991, ter sido confirmada e publicada em 2006. Encerraram neste ponto um ciclo no combate científico que travam, apesar de ainda não terem convencido amplamente a comunidade da validade e eficácia das suas ideias. Já surgem, porém, sinais de viragem em algumas “autoridades científicas” da comunidade dos químicos. A razão tem a sua força, mas não basta! Mediante um percurso de facetas autobiográficas, de análise epistemológica e sociológica, de controvérsias científicas de bastidores, do bosquejo das dificuldades de produzir ciência e fazê-la valer nos custos-de-contexto português, o leitor irá percorrer uma história de fortes contrastes e de perspetivas surpreendentes, imprescindível para quem quiser penetrar em «o que é isto de ser um cientista?». No último capítulo o autor presenteia-nos com o seu modo de “ver”, com algum auto-distanciamento, mas com grande humanização, um internamento hospitalar, porque a longevidade vem à mente quando se pensa em qualquer caminho de ribalta.
Comentários
Pesquisa Rápida
 
Utilize palavras chave para pesquisar Artigos.
Pesquisa Avançada
Partilhar Artigo
Partilhar por E-Mail Partilhar no Facebook Partilhar no Twitter Partilhar no Google Buzz Partilhar no Digg
Idiomas
English Portugues